Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu (Mestrado Profissional) em Ensino, Linguagem e Sociedade (PPGELS)

Navegar

Submissões Recentes

Agora exibindo 1 - 5 de 128
  • Item
    Cartilha EJA na visão das mulheres
    (0023-12-14) Silva , Liciane Montalvão; Nogueira, Maria Lúcia Porto Silva
    A Educação de Jovens e Adultos (EJA) é uma modalidade de ensino amparada por lei e voltada para pessoas que não tiveram, por algum motivo, acesso ao ensino regular na idade apropriada. A EJA tem como objetivo tentar corrigir algumas questões sociais como exclusão, exploração, validação, entre outras consequências. Partindo dessa premissa, entende-se que os estudantes da EJA, percebidos na dimensão de sujeitos, são constituídos por e nas relações sociais, na vida em sociedade, pela intermediação da cultura, dos valores e crenças que dotam essas relações de significados e sentidos. Inserem-se em um contexto histórico, político e econômico e nele ensaiam suas trajetórias de vida. Segundo Oliveira, (1999), refletir sobre jovens, adultos e idosos que estudam na EJA nessa perspectiva significa considerá-los para além da dimensão cognitiva a partir da qual são pensados no processo histórico de escolarização. Também, implica em desconstruir uma percepção homogênea sobre quem são os estudantes, ultrapassando-se as categorias abstratas de jovens e adultos para as quais se convencionam características e lugares sociais. Sendo assim, os estudantes passam a ser compreendidos não pelo que lhes falta quando comparados às representações construídas em torno das categorias abstratas mencionadas anteriormente, mas a partir das situações vivenciadas ao longo da vida que produzem subjetividades, saberes e modos diversos de existência. A trajetória da Educação de Jovens e Adultos (EJA) é considerada parte integrante da história da Educação no Brasil, sendo uma das áreas aonde se empreende esforço para a democratização do acesso ao conhecimento, mas marcada historicamente por iniciativas para a erradicação do analfabetismo e capacitação para o mercado de trabalho. Sendo assim, este trabalho tem como propósito fazer um levantamento dos perfis das estudantes da Educação de Jovens e Adultos (EJA), a partir de Políticas de Escuta, Políticas de Saúde, movimentos, integridade, autoestima, na busca de contribuir com a visibilidade das mulheres como pessoas de direito, ativas e atuantes, e buscando ainda, disseminar as culturas de respeito e de paz, autonomia de gênero, da não violência e da não submissão feminina. Partindo da concretização da CARTILHA como um manual de informações e instruções para o ensino nas relações de gênero na EJA, com a realização da pesquisa e da entrevista de forma presencial, tais momentos foram registrados por escrita, por fotos e áudios; colaborando para a efetivação dos estudos, práticas de justiça e valorização das mulheres da Escola Municipal Emília Mila de Castro e toda a sociedade.
  • Item
    Mulheres negras na educação de jovens e adultos (EJA) de Guanambi-BA: Construções identitárias rumo à cidadania plena.
    (Universidade do Estado da Bahia, 0023-12-14) Silva, Liciane Montalvão da; Nogueira, Maria Lúcia Porto Silva; Barbosa, Andrea da Rocha Rodrigues Pereira; Fernandes, Marinalva Nunes
    A pesquisa de mestrado intitulada “Mulheres Negras na Educação de Jovens e Adultos (EJA) de Guanambi-Ba: Construções Identitárias Rumo à Cidadania Plena”, tem como objetivo geral desvelar sobre o retorno das mulheres negras à escola, nas turmas da Educação de Jovens e Adultos (EJA), em uma escola pública do município de Guanambi-Ba, com o intuito de que sejam reconhecidas como cidadãs ativas e que lutam pelos seus direitos na sociedade. A partir de entrevistas feitas com 10 mulheres (negras, pardas e brancas), alunas da EJA, com idade entre 18 e 70 anos, foi feito um levantamento dos perfis das estudantes da Educação de Jovens e Adultos (EJA) e, em seguida, três encontros coletivos, de formações presenciais, na sala de aula, em busca de fortalecê-las e instruí-las a lutar por uma vida de melhor qualidade, entendendo que a educação em articulação com estudos de gênero é suporte e caminho para o combate à violência e a submissão feminina perante uma sociedade marcada pelo patriarcado e machismo. Para coleta de informações, utilizamos o Grupo focal desenvolvido nas salas de aulas e as Entrevistas semiestruturadas, realizadas na sala dos professores com os estudantes da Educação de Jovens e Adultos (10 mulheres e 2 homens), 4 educadoras e 2 gestoras. Disso resultou a confecção de uma Cartilha (produto pedagógico deste trabalho) como manual, informações sobre leis, projetos que buscam assegurar direitos e proteção às mulheres e oficinas pedagógicas para o enriquecimento do ensino das relações de gênero na EJA. O respaldo teórico firmou-se em autores que discutem as questões da EJA e de gênero, tais como Freire (2013), Minayo (2012), Arroyo (2005), Santos (2003), Louro (1997), Scott (1995), Soares (2006), fundamentando a promoção de espaços e tempos reflexivo-formativos para contribuir na superação da desigualdade de gênero, valorização da cultura, da autoestima, da cidadania e do protagonismo das mulheres negras. Esperamos favorecer a compreensão da desigualdade de gênero e instruir mulheres e homens quanto à assimilação, importância, conquistas e bem-estar adquiridos a partir do domínio da leitura e de um novo discernimento de gênero, propiciando conhecimentos enquanto sujeitos autônomos. Os resultados obtidos demonstraram que a modalidade EJA continua sendo relevante para a elevação da autoestima e validação do papel de cidadãs (cidadãos) atuantes, especialmente para as alunas que retornaram em busca da tão desejada readequação social, de maneira democrática e participativa.
  • Item
    Guia didático para professores do ensino médio
    (2023-10-27) Flores, Fábio Fernandes; Almeida, Claudio Bispo de
  • Item
    Prática docente relacionada ao tema saúde no ensino médio
    (Universidade do Estado da Bahia, 2023-10-27) Flores, Fábio Fernandes; Almeida , Cláudio Bispo de; Luna , Christiane Freitas; Mussi , Ricardo Franklin de Freitas
    Tendo em vista que a saúde é um dos assuntos a ser contemplado na educação básica, objetiva-se analisar a intervenção pedagógica docente para o ensino do tema saúde no ensino médio, cuja questão de pesquisa é: de que maneira ocorre a prática docente com o tema saúde no EM? Para tanto, realizou-se uma revisão integrativa (composta por seis fases). Neste processo usou-se a análise de conteúdo. Do universo de 698 trabalhos, 15 se enquadraram nos critérios adotados. Dentre os principais achados, destacam-se: os trabalhos não mencionarem a utilização de concepção de ES para fundamentar as ações pedagógicas; Doenças e Infecções como tema predominante no ensino; a metodologia ativa como menos usual; e a sequência didática como produto educacional mais utilizado. A pesquisa teve como fragilidade a não interpretação dos estudos para preencher três lacunas do instrumento de registro de informações da revisão: concepção de ES, metodologia ativa e limitações da pesquisa; e como potencialidade a predominância do professor da educação básica como pesquisador (mestrando). Diante do exposto, estudar a prática docente representa conhecer os aspectos que englobam o ensino aprendizagem, o que implica nas possibilidades para que os estudantes tenham melhores índices de aprendizagem. Como forma de contribuir no âmbito da intervenção docente e ciência foi edificado um guia didático, produto educacional baseado na aprendizagem crítica e reflexiva.
  • Item
    Sequência didática do processo de desapropriação e reconquista do espaço no entorno da barragem. Para 8º e 9º ano do ensino fundamental
    (2023-12-14) Alves , Zilma Pereira Santos; Cruz, Elizeu Pinheiro da
    Os estudos que envolvem temas relacionados à implantação de barragens têm sido relevantes, especialmente por investigar as transformações socioambientais que ocorrem em virtude da construção de empreendimentos de grande repercussão ambiental. Dentre as várias possibilidades de investigação, os assuntos ligados ao processo de desapropriações e reconquistas dos moradores atingidos pela barragem da Lagoa da Torta, se tornam importantes mecanismos de averiguação das mudanças ambientais do território onde é implantada a obra. Nesse viés, contribui com o ensino da instituição educativa da localidade, estimulando o aluno a conhecer as questões locais, instigando-o a se perceber como sujeito participante das relações existentes e vivenciadas no seu cotidiano, de forma que articulem com outras leituras de mundo e a partir dessas vivências incorporadas nas práticas do ensino, cooperar com o seu desenvolvimento como sujeitos responsáveis com a prática social onde vive, com as questões regionais e globais. Partindo dessa perspectiva, este trabalho teve como objetivo compreender como os alunos do Núcleo Escolar de Limeira, entendem o processo de desapropriação e remoção da população no entorno da barragem da Lagoa Torta, situada no município de Igaporã-Bahia e a consequente reconquista deste espaço. Trata-se de uma pesquisa que faz uma abordagem metodológica com inspiração etnográfica de natureza interpretativa e observação participante, expondo reflexões acerca das questões relacionadas ao processo de desapropriações e reconquistas do espaço no entorno da barragem por meio de relatos, entrevistas com moradores expropriados, questionários com alunos e docentes e figuras ilustrativas, confirmando com resultados explícitos as mudanças ambientais no território de locação da obra. Nesse desígnio, buscou como proposta de Produto Educacional uma Sequência Didática do Processo de Desapropriação e Reconquista do Espaço no Entorno da Barragem, relacionada a questão de pesquisa-intervenção que partiu do princípio que: De que forma os alunos do Núcleo Escolar de Limeira, situado na zona rural do município de Igaporã-BA, abordam/entendem as questões do processo de desapropriação e remoção da população no entorno da barragem da Lagoa da Torta no âmbito escolar e a consequente reconquista deste espaço. Para tanto, é importante considerar a escola como um local de cooperação com ações de sensibilização e compreensão da educação ambiental dos cidadãos, de forma que possa promover a ascensão e mitigação desses atos entre alunos, comunidades desapropriadas e sociedade em geral.