Título: Surdos e a aquisição do Português como Segunda Língua: o uso de dispositivos móveis em uma perspectiva Pedagógica
Autor(es): SOUZA, Pascoal Eron Santos de
Palavras-chave: Estudos surdos
Dispositivos Móveis
Aprendizagem Móvel
Aquisição de L2 por surdos
Data do documento: 15-Jun-2017
Resumo: Os surdos constituem um grupo de sujeitos que possuem características linguísticas e culturais particulares. No geral, têm como primeira língua (L1) uma língua de sinais, que no Brasil costuma ser a Libras, e como segunda língua (L2) a língua oral-auditiva da sociedade onde vivem, que por eles será adquirida por meio da modalidade escrita. Este trabalho buscou compreender como o uso de dispositivos móveis por surdos influencia na aquisição do português como segunda língua. O estudo partiu do princípio de que o uso destes dispositivos de comunicação favorece a existência de um contexto virtual no qual as pessoas interagem independentemente de suas características sensoriais. Assim, os surdos podem utilizar a escrita do português em processos reais de comunicação, bem diferentes daqueles desenvolvidos na escola onde comumente se inicia o processo de aquisição da escrita. A tecnologia disponível cria as condições técnicas para que a aprendizagem aconteça a qualquer hora e em qualquer lugar. Este trabalho fundamenta-se a partir da articulação de três eixos teórico-conceituais: 1) os estudos surdos, que estão diretamente associados às discussões sobre cultura, identidade e diferença; 2) o processo de aquisição de uma L2, que se sustenta em estudos do campo da linguística; e, 3) a aprendizagem móvel, que traz para o debate as relações dos sujeitos com o conhecimento a partir da inserção de tecnologias digitais da informação e da comunicação (TDIC) nas mais diversas atividades da vida cotidiana. O trabalho foi realizado dentro de uma abordagem qualitativa. Uma pesquisa participante foi desenvolvida em uma instituição pública de ensino no munícipio de Senhor do Bonfim, localizado no semiárido baiano. Participaram do estudo três professoras da educação básica, três monitoras de pesquisa, um intérprete de Libras/Língua portuguesa e cinco estudantes surdos do ensino médio do sistema público de ensino. Para a construção dos dados foram utilizadas observações, entrevistas e um diário de campo. Os resultados do estudo apontam que dispositivos móveis têm sido utilizados por surdos em processos de interação com outros surdos e com ouvintes. O uso destes equipamentos tecnológicos tem favorecido a ampliação de possibilidades comunicativas para a comunidade surda, principalmente por permitir a utilização de textos, imagens e vídeos de forma integrada em plataformas multimodais de aplicativos digitais. Ao ter contato com a língua de sinais e a língua portuguesa escrita em contextos reais de comunicação, os surdos têm acesso a processos bilíngues de interação e isso tem favorecido a aprendizagem do português fora dos espaços escolares. Os dados indicam que é possível desenvolver propostas pedagógicas para favorecer o ensino da língua portuguesa para os surdos com a utilização de dispositivos móveis. Neste sentido, são discutidas neste trabalho estratégias didáticas que foram construídas com os sujeitos da pesquisa de forma colaborativa e que podem ser reproduzidas e/ou aperfeiçoadas por professores da educação básica e outros estudiosos interessados no tema.
URI: http://hdl.handle.net/20.500.11896/831
Aparece nas coleções:Programa de Pós-Graduação em Educação e Diversidade (MPED)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
PascoalTFCC.pdf2,48 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir