Título: Ambiguidade no corpo do texto e das personagens de Tarântula e a Pele Que Habito
Autor(es): SILVA, Felipe Santos da
Palavras-chave: Personagem
ambiguidade
corpo
Tarântula
A pele que habito
Data do documento: 15-Dez-2017
Resumo: Este trabalho tem como objetivo analisar duas cenas do romance Tarântula (Mygale, 1984), de Thierry Jonquet e a adaptação fílmica de Pedro Almodóvar intitulada A pele que habito [La piel que habito, Espanha, 2011]. Assim, analisaremos de que modo a relação de amor e ódio pelo corpo refletida por Adorno e Horkheimer (2006) circunscrevem as personagens do romance e, em parte, da adaptação fílmica. Ademais, investigaremos no romance como são construídas as personagens, tendo como foco o antagonismo encenado por elas e buscando elucidar as possíveis interpretações desse antagonismo ser modulado na adaptação fílmica. Por fim, será cotejado os objetos com foco no desfecho destinado às personagens, sobretudo Vera, numa promessa de redenção e salvação para esta, segundo o diretor. Também reinterpretaremos essa nota de agradecimento expressa nos créditos finais, bem como, outras passagens cênicas que tentam chancelar o filme almodoviano, este dotado de refinamento estético, opondo-o ao cinema hollywoodiano. Análogo, Tarântula, tenta se desvencilhar das reminiscências do Romance na sua gênese, mas, assim como A pele que habito, recai em desfecho tênue dos quais ambos se propõem afastar.
URI: http://hdl.handle.net/20.500.11896/907
Aparece nas coleções:Letras / Língua Portuguesa e Literaturas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TccFelipeSilva.pdf1,17 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir